31.8.11

Por causa "disto".... então "aquilo"



Os chineses tem efectivamente bons provérbios.
não sei se terão tido a sua origem em penas e tinta da china, mas o facto, é que são verdade.

Senão, vejamos:

"Por causa do ferreiro, perdeu-se o prego; por causa do prego, perdeu-se a ferradura; por causa da ferradura, perdeu-se o cavalo; por causa do cavalo, perdeu-se o mensageiro; por causa do mensageiro, perdeu-se a carta; por causa da carta, perdeu-se a guerra."




Como passar isto para o plano actual da (minha-nossa) realidade...?

Vejamos:

Por causa de um olhar ganhou se uma conversa, por causa de uma conversa ganhou-se um numero, por causa de um numero ganhou-se uma mensagem, por causa de uma mensagem ganhou-se mais conversa, por causa de mais conversa ganhou-se o ciume, por causa do ciume ganhou-se uma explicação falhada, por causa de uma explicação falhada ganhou-se uma incompreensão, por causa de uma incompreensão ganhou-se uma promessa, por causa de uma promessa ganhou-se uma vingança, por causa de uma vingança ganhou-se uma discussão e por causa de uma discussão perde-se a relação.




Isto tudo está demasiado confuso... vamos simplificar:

Por causa de mensagens, uma ou outra trocada
com quem "um" não queria nada,
alguém fica possuída,
alguém fica chateada


Há depois um momento de discutir
palavras proferidas difíceis de engolir
momentos mais tarde tornados passado
momentos tardios... transpirados, cansados

tornou-se no entanto agua de pouca dura
é elemento terrestre que morde e fura
actuar na base da vingança
ao invés da simples confiança




Oiço mais tarde que tive uma mudança
que nao sou quem antes mostrara
terei morrido como lembrança?
ou serei uma forma passada?


mas que ser perfeito és tu e imperfeito serei eu?








3 comments:

Mokas said...

o que eu acho é que o discurso actual é muito mais positivo, uma vez que no provérbio só se fala de perda, enquanto que na actualidade se fala de ganho atrás de ganho, e só uma única vez em perda.

ok que a unica vez que a perda é mencionada, age como ponto final e portanto o peso é o mesmo.
Mas a dinâmica é toda muito mais positiva!

Enqto que no primeiro é só a dar chapada, no segundo trata-se de uma evolução, com o resultado tipico de uma evolução.

As coisas são dinâmicas...
Quando viajamos num qualquer transporte, podemos observar diversas coisas: Casinhas, pradarias, comboios, carros, autocarros, aviões, e por aí fora.
Algumas dessas coisas, ou acompanham-nos ou voltamos a encontrar no destino.
Outras nem por isso.

[word verification: "conis"]

Sara said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Garras said...

wtf ???